Luxação do Ombro ou “ombro deslocado”: causas, diagnóstico e tratamento.

lux-ombro2.jpeg

O termo luxação do ombro é utilizado para denominar a perda do contato e congruência entre as duas superficies da articulação do ombro (articulação glenoumeral). Ou seja, o deslocamento ou o desencaixe da cabeça do úmero (osso do braço) e cavidade glenoidal. Vide figura abaixo:
 

ombro-deslocado.jpg

É classificada em luxação anterior (para frente), posterior (para trás), superior (para cima) ou inferior (para baixo), consoante a direção de deslocação da cabeça do úmero.

 

CAUSAS

Por ser uma articulação de grande amplitude e capacidade de mover-se em todas as direções, é a articulação menos estável das demais articulações do corpo. Entre as principais causas do deslocamento do ombro, destacam-se as causas traumáticas, tais como:

  • Lesões esportivas;

  • Quedas;

  • Acidentes.

SINTOMAS

  • Dor intensa no ombro, que pode irradiar para o braço e afetar o pescoço;

  • Aparecimento de deformidade com o desaparecimento do contorno deltóideo arredondado (inchaço, hematomas, dormência);

  • Altura do ombro diferente do outro, mais alto ou mais baixo;

  • Dificuldade de realizar movimentos com o braço do ombro afetado (fraqueza).

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico deve ser feito por um médico. Além de avaliar os sintomas e realizar o exame clínico, ele pode solicitar um raio-x, para avaliar melhor a lesão e identificar se há algum dano maior, como por exemplo, um fragmento ósseo dentro da articulação afetada, ou uma ressonância magnética, para avaliar tecidos como a própria cápsula articular, tendões e ligamentos.

TRATAMENTO

O tratamento indicado depende do diagnóstico adequado do ombro afetado e deve ser realizado por um médico especialista. Mas basicamente é composto por três etapas na fase aguda.

 

  1. Redução do ombro afetado na urgência: colocar o ombro deslocado no lugar.

  2. Imobilização do ombro luxado: tipóia 2-3 semanas, para proteger a área afetada e recuperar os tecidos.

  3. Fisioterapia: para recuperar os movimentos, fortalecer os músculos e estabilizar a articulação do ombro, evitando uma recidiva nos casos, na qual não há acometimento ósseo.

 

O tratamento pode ser acompanhado da utilização de analgésicos e anti-inflamatórios para amenizar a dor do paciente.

 

O tratamento cirúrgico é indicado para pacientes que têm episódios de recidiva, fraturas associadas ou atletas com lesão no lábio glenormeral, frouxidão da cápsula articular ou nos tendões do ombro.