Bursite Trocantérica: causas, sintomas e tratamento.

A Bursite ou Sindrome dolorosa trocantérica, é caracterizada pela inflamação de uma Bursa (Bolsa de conteúdo gelatinoso). Suas funções são de reduzir os impactos em proeminências ósseas, dissipando a energia de um eventual trauma ou contusão, por isto estão localizadas em diversos lugares no corpo humano (Figura 1) . Dentre as de maior relevância, estão as: no quadril, ombro, calcanhar, cotovelo e joelhos.

CAUSAS

Algumas Alterações na anatomia humana podem predispor os pacientes a uma  sobrecarrega a biodinâmica, alterando assim a mecânica do grupo musculoesquelético do quadril gerando uma inflamação das bursas locais. Sendo as principais: anisomelia (discrepância no comprimento dos membros inferiores, doenças na coluna lombar, marchas claudicantes, contraturas musculares por falta de alongamento).

É comum a presença de paciente no consultório com a síndrome dolorosa trocantérica, sem nenhuma alteração anatômica descrita anteriormente, porém com um excesso de estresse no quadril devido ao elevado numero de repetição de movimentos diários como: trabalhar subindo e descendo as escadas, atletas de final de semana (“corredores de longas distâncias nos finais de semana, que são sedentários no dia dia”), movimentos repetitivos com o quadril, etc... Sendo também uma doença  que surge concomitante a Coxartrose, doenças reumatológicas e doenças sistêmicas.

Bem incomum mas também descrito, são as causas traumáticas. Raramente o paciente se lembra de ter sofrido um trauma prévio no quadril, porém alguns micro-traumas diários podem desencadear a bursite e levar a um quadro semelhante ao descrito anteriormente.

Figura 01

SINAIS E SINTOMAS

O principal sinal do quadro clínico da bursite trocantérica é a dor na lateral do quadril, facilmente indicada com a ponta do dedo pelo paciente, com a dor podendo extender-se para toda face lateral da coxa.

O período noturno tende a se tornar uma verdadeiro “pesadelo” para os pacientes, uma vez que as dores  constumam piorar neste período. E dificultando os pacientes a pegarem no sono, pela dificuldade de encontrar uma posição para dormir.

Manter-se na mesma posição durante períodos prolongados (trabalho sentado), desencadeiam a dor durante o dia. Sendo esta de caráter latejante e progressivo que aumenta de intensidade com o tempo.

DIAGNÓSTICO​

O diagnóstico é relativamente simples, e se baseia em um exame físico completo em busca de uma dor a palpação profunda perto da regiâo trocantérica no quadril, sinais de inflamação local na face lateral da coxa, contraturas musculares e alterações miotendíneas dos glúteos são patologias muito relacionadas e devem ser avaliadas concomitantemente. Em casos de dúvidas pode -se lançar mão de exames e imagem como Ultrassonografia , Ressônancia magnética ou a tomografia computadorizada.

TRATAMENTO

O tratamento inicial para a Sindrome dolorosa trocantérica sempre se baseia no tratamento conservador (não cirurgico), devido a sua otima resposta ao mesmo. O alivio dos sintomas é alcançado através de Modificação de atividades que provocam dor (cruzar as pernas, atividades diárias), utilização de medicamentos anti-inflamatórios oral e local, Terapias manuais (onda de calor / TENS / alongamentos / Compressa local).

           

Alguns pacientes que não responderam ao tratamento descrito a cima e /ou desejam um alívio da dor mais rápido, pode-se realizar a infiltração local (extra-articular) com medicações anestésicas, anti-iinflamatórias e até fitoterápicos de ação relaxante (Arnica Montana).

           

Raros casos em que a doença se torna crônica e/ou que não respondeu a nenhum tratamento não cirurgico, é indicado o tratamento cirurgico de bursectomia (ressecção da bursa), que pode ser realizada via Artroscópica ou Através de uma insição local.

por Fellipe Takatsu